Freguesia de Moita dos Ferreiros

A sua freguesia

Sociedade Lirica Moitense

 

 

 

No dia 5 de Agosto de 1923 um grupo de conterrâneos decidiu valorizar a educação musical da Freguesia de Moita dos Ferreiros. Ajudados pelo Reverendo Padre L.J. Seixal, deu-se o primeiro impulso para a fundação desta Banda, o que aconteceu no dia 9 de Agosto de 1925, dia em que fez a primeira aparição em público por entre o delírio de toda a população local. Foram seus fundadores António Emídio da Cruz e Silva (António Emídio da Cruz e Silva nasceu e viveu na Moita dos Ferreiros, era profundamente católico, um "homem muito culto e inteligente" tendo por isso mesmo custeado o arranjo do órgão da igreja da localidade, chegou a ser autarca durante vários mandatos na Junta de Freguesia, pertenceu a várias comissões de obras e a 9 de Agosto de 1925, juntamente com José Ricardo e António da Silva Prazeres, fundava esta banda, considerada como "a menina dos seus olhos", na qual foi director e músico. Pela sua maneira de ser e de estar "marcou vincadamente a sua época", disse Pedro Bento. Era casado e tinha dois filhos, um dos quais Acácio da Cruz e Silva, médico especialista em neurologia, integrando a equipa de Egas Moniz galardoada com o Prémio Nobel da Medicina 1949), José Ricardo e António José da Silva Prazeres, com o maestro Eduardo Miguéis. Teve duas interrupções entre 1935 e 1940 por motivos financeiros (era o tempo da II Guerra Mundial) e entre 1964 e 1976 (devido à elevada emigração e certamente também por causa da Guerra Colonial).
Em 1940 acabou por reaparecer sob a regência de alguns dos mais destacados maestros, nomeadamente Mourato, João Elói e Leite da Silva, que sucessivamente conduziram a banda até 1964, nesta altura e devido à elevada emigração, este organismo viu-se forçado a interromper, a sua actividade. Mas no final de 1976, mais propriamente no dia 1º de Dezembro, ressurge novamente a Sociedade Lírica Moitense, sob a batuta de João Elói.